segunda-feira, 6 de março de 2017

jura mais que secreta


jura mais que secreta

tenho um segredo sagrado
bem mais que ouro guardado
jura bem mais que secreta
o poema em linha curva
sempre corta a linha reta
uma gisele em flor de lótus
que mesmo fosse abstrata
é coisa do amor que se concreta

na quarta ela estava na feira
em espelhos de artesanato
e a  minha língua solteira
cantava um vapor barato
lembrando da vez primeira
que  meu olho viu teu retrato

teu corpo não era papel
era de osso e carne era de carne e osso
e naquela hora do almoço
em meu corpo foi tanto alvoroço
que deixei a comida no prat0


Federico Baudelaire



Nenhum comentário:

Postar um comentário