terça-feira, 25 de outubro de 2016

sagarânico


sagarânico
esse mar de espuma
como líquido de uma ostra
escorrendo pelo umbigo
até o vão das tuas coxas

Federico Baudelaire




dadete dadética dadaísta
malabarista da palavra implícita
na loucura explícita
de não ser didático




fosse o que eu quisesse
apenas um beijo roubado em tua boca
dentro do poema nada cabe
nem o que sei nem o   que não se sabe
se soubesse o que estava escrito
estava cravado em nós
como cicatriz no corte
entre uma palavra e outra
do que não dissesse

Artur Gomes 



Aos 17
o amor é só perigo
Júlia poderia ter vindo desse risco
fio condutor de toda vida
por enquanto te beijo de longe
e os olhos saltam da garganta
o vento sopra do outro lado da ponte
Recife é uma Boa Viagem sem volta 
Bob Dylan solto na agulha
com sua voz que é rouca
e minha vida não é pouca
é só tempo de ir
e agora neste instante
é Júlia quem me faz sor-rir



fosse o que eu quisesse
apenas um beijo roubado em tua boca
dentro do poema nada cabe
nem o que sei nem o   que não se sabe
se soubesse o que estava escrito
estava cravado em nós
como cicatriz no corte
entre uma palavra e outra
do que não dissesse


sagarânico
esse mar de espuma
como líquido de uma ostra
escorrendo pelo umbigo
até o vão das tuas coxas

Federico Baudelaire
www.fulinaimicas2.blogspot.com 

Nenhum comentário:

Postar um comentário