sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

poesia a mar aberto



foto: artur gomes


Ela alimentava o meu vício
: eu insistia, insistia.
Mal-acostumado, embriagado
repetia-me – um fraco, apaixonado.

Para tê-la em meus braços,
sentia o ópio, pulsava o caos,
vasculhava instantes,
amor sem igual.

Já não importava pagar, ou ser pago;
o risível, o onanismo dos troncos
às copas das árvores.

A louca forjava-me 
atitude, possibilidades
: eu insistia!

Lou Vilela in Nudez Poética

Nenhum comentário:

Postar um comentário