terça-feira, 30 de agosto de 2011

dani rauen após o bip

show de lançamento dia 1 de outubro
no Renascença em Porto Alegre – entre as faixas
Esfinge poema de Artur Gomes musicado por Rodrigo Bittencourt

esfinge

o amor
não e apenas um nome
que anda por sobre a pele
um dia falo letra por letra
no outro calo fome por fome
é que a flor da minha pele
consome a pele do meu nome
cravado espinho na chaga
como marca cicatriz
eu sou ator ela esfinge
clarice/beatriz
assim vivemos cantando
fingindo que somos decentes
para esconder o sagrado
em nosso profanos segredos
se um dia falta coragem
a noite sobra do medo
na sombra da tatuagem
sinal enfim permanente
ficou pregando uma peça
em nosso passado presente
o nome tem seus mistérios
que se escondem sob panos
o sol e claro quando não chove
o sal e bom quando de leve
para adoçar desenganos
na língua na boca na neve
o mar que vai e vem
não tem volta
o amor é a coisa mais torta
que mora lá dentro de mim
teu céu da boca e a porta
onde o poema não tem fim


Fulinaíma Produções
poeta.ator.vídeo.maker
 (22)9815-1266 begin_of_the_skype_highlighting            (22)9815-1266      end_of_the_skype_highlighting

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

cidade nua




andar
na periferia do teu corpo
cidade nua
trafegar por tuas ruas
caminhar tuas estradas
me enfiar em tuas curvas
se as flores do mal-me-quer
enfrentar a tua reta
re-inventar a pessoa
comer a tua carne
lamber a tua língua
beber o leite dos teus seios
lambuzar teu sexo
quando estiver no cio
soltar pipas ao vento
e tudo mais que re-invento
e quero mais a carnavalha
muito mais a coisa toda
e a moral tropinicalha
eu quero mais é que se foda

arturgomes


sexta-feira, 12 de agosto de 2011

ana de amsterdã


 
leminsk um dia me disse
carteira de indentidade
ser uma coisa freudiana
sonho de burguês da grã bretanha
querendo o sonho dominar
para que o sexo na alemanha
tenha em hitler o exemplar
ana de amsterdã
me pediu que freud explique
se o tal do sexo
é sonho
ou é questão de identifique
porque nas noites de insônia
me vem uma coisa estranha
meu amado vem e me pega
me joga num mar de espanha
eu quero que freud ponha
cada coisa em seu lugar
eu fico meio sem jeito
mas nunca posso negar
que quero essa coisa estranha
até o momento de gozar

arturgomes